Com cenário laranja, Aparecida amplia isolamento social intermitente para evitar a disseminação da Covid-19


30 de junho de 2020
Foto: Arquivo-Secom

O isolamento social intermitente, em funcionamento na cidade de Aparecida de Goiânia, desde 8 de junho, chegou ao cenário laranja/risco alto, conforme Matriz de Risco do Ministério da Saúde, que a cidade adotou para fazer o enfrentamento à pandemia ainda em 22 de abril.

A partir de domingo, 5 de julho, começa a aplicação das regras do cenário laranja. Cada macrozona fecha duas vezes de segunda a sexta-feira e a cidade inteira fecha aos sábados, a partir das 13 horas, e aos domingos o dia todo.

Neste modelo de isolamento social intermitente aplicado efetivamente de forma escalonada – em quatro cenários – verde, amarelo, laranja e vermelho – e por macrozonas – Aparecida foi dividida em 10 regiões. No dia de fechamento da macrozona, entre segunda e sexta, fecham-se até supermercados, padarias e postos de combustíveis.

No cenário verde/estável, cada macrozona fechou uma vez por semana de segunda a sexta. No amarelo, de risco moderado, todas as macrorregiões fecharam também aos domingos.

No cenário vermelho, considerando 14 dias (duas semanas), a cidade tem o comércio fechado regionalmente por 10 dias, ficando apenas 4 dias abertos, de modo intercalado.

As decisões foram tomadas pelo Comitê de Enfrentamento ao novo coronavírus de Aparecida, com base em nota técnica da Secretaria de Saúde de Aparecida e dados científicos, com o objetivo de preservar vidas e salvaguardar empregos e renda, conforme orienta a Organização Mundial da Saúde.

Gatilhos – Os principais gatilhos para mudança de cenários são a taxa de ocupação de leitos de UTIs e o aumento de contágio entre a população. Nos últimos dias, a taxa de ocupação de leitos de UTIs públicas ficou próximo de 60% e os leitos privados em 100%.

Nesta semana, a Secretaria de Saúde de Aparecida anunciou a implantação de mais de 10 leitos de UTIs no Hospital Municipal de Aparecida (HMAP), em razão de respiradores encaminhados pelo Ministério da Saúde, por meio do senador Vanderlan Cardoso, e a contratação de mais de 3 leitos de UTIs no Hospital São Silvestre.

Além da doação de mais 10 respiradores pelo Hospital Sírio-Libanês. Desta forma, Aparecida chega a 146 leitos. Também nesta semana a Prefeitura começa a disponibilizar exames laboratoriais e oxímetros para pacientes do grupo de risco, ou seja, que apresentam maior vulnerabilidade e risco de agravo da doença.

Com o aumento de leitos de UTIs, a ajuda da população para evitar a disseminação do vírus e as demais ações tomadas pela gestão, Aparecida pode voltar ao cenário amarelo ou mesmo o verde.

A Portaria 035/2020, de 5 de junho de 2020, da Secretaria de Saúde de Aparecida que instituiu o escalonamento regional leva em consideração a portaria e nota técnica da Secretaria de Saúde de Aparecida datada de 22 de abril de 2020 que adotou na cidade de Aparecida de Goiânia a Matriz de Risco do Ministério da Saúde.

Números

De acordo com a SMS, até as 17 horas desta terça-feira, 30, o município já coletou mais de 18,5 mil amostras de material para realização de testes de diagnóstico de Coronavírus. Os exames são do tipo RT-PCR, que é considerado o padrão ouro para esse diagnóstico.

Confira o atual cenário da cidade:

2.890 confirmados;
1.756 recuperados;
47 óbitos;
49 hospitalizados.

Confira as taxas de ocupação dos leitos de UTI de Aparecida de Goiânia da rede pública e privada:

📊 Taxa de ocupação de UTI Adulto (Geral + Covid-19) – Rede pública – 66%
📊 Taxa de ocupação de UTI Adulto (Geral + Covid-19) – Rede privada – 100%
📊 Taxa de ocupação de UTI Pediátrica – Rede pública – 30%
📊 Taxa de Ocupação de UTI por Covid-19 – Rede Pública – 55%
📊 Taxa de Ocupação de UTI por Covid-19 – Rede Privada – 100%
📊 Taxa de ocupação total (UTI Adulto e pediátrica – rede pública e privada) – 74%

🚥 Risco da pandemia em Aparecida de Goiânia, segundo matriz do Ministério da Saúde: Alto

Texto: Daniela Ribeiro

Mais Notícias