Papel do homem pelo fim da violência contra a mulher é tema de palestra em Aparecida


6 de dezembro de 2017
Foto: Claudivino Antunes

Com objetivo de mobilizar e conscientizar os homens pelo fim da violência contra as mulheres, a Polícia Civil, em parceria com a Secretaria de Mobilidade e Defesa Social, promove na tarde desta quarta-feira, 06, palestra para debater o tema. O evento foi realizado no Salão 2 do Centro de Cultural e Lazer José Barroso.

De acordo com a Delegada da Mulher, Cybelle Tristão, a conscientização dos homens é muito importante porque eles são parte do problema e por isso precisam ser parte da solução. “99,9% do agressor é homem, mas sabemos que a violência contra a mulher também pode ser praticada por mulher nas relações homoafetivas e familiares”, ressaltou a delegada.

O público-alvo da palestra foram guardas municipais, agentes de trânsito e público em geral. Durante o encontro, assuntos como a responsabilidade criminal do agressor, dados estatísticos, Lei Maria da Penha, possibilidade de prisão em flagrante e prisão preventiva também foram discutidos.

A impunidade do agressor é um dos fatores que contribuem para o cenário da violência contra a mulher no Brasil. Para Cybelle Tristão, existe uma banalização geral com relação a Lei Maria da Penha porque o agressor acha que não vai acontecer nada. “Queremos mostrar que dá cadeia e que tem consequências graves”, frisou a delegada.

Em Aparecida, as mulheres que procuram a Delegacia da Mulher já sofreram anteriormente algum tipo de violência. “A maioria das vítimas que chegam a delegacia, com raríssimas exceções, está indo pela primeira vez. Essas mulheres não querem a prisão do agressor, elas querem que ele mude de vida e de comportamento”, revelou a delegada Cybelle Tristão.

“A maioria das mulheres que nos procura já foi violentada outras vezes e agredida verbalmente, psicologicamente e, até, fisicamente. Elas toleram a violência por muito tempo e quando não suportam mais viver esta situação buscam ajuda”, relatou Cybelle.

O papel do Estado é fundamental para diminuir os índices de violência contra a mulher, principalmente no que diz respeito a educação. “O  Estado tem procurado se aparelhar nesta questão, mas falta muito ainda, por isso temos que trabalhar com a prevenção nas escolas com educação. Enquanto nós não deixarmos de ter essa educação sexista, separando menino de menina, onde a menina é princesinha e o menino é o valentão, nós vamos continuar vivendo em uma sociedade com homens violentos, possessivos e machistas”, finalizou a delegada.

Saiba mais

O Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres foi oficializado pelo Decreto de Lei nº 11.489/2007 e é comemorado no dia 6 de dezembro. A data tem como objetivo conscientizar os homens sobre o papel que precisam desempenhar para colaborar com o fim da discriminação e violência contra as mulheres.

Fonte: Elzenúbia Moreira

Mais Notícias